Gays e lésbicas são sequestrados e torturados em Uganda

A vida dos LGBT em Uganda continua um inferno – quase literalmente. Denúncias apontam que muitos têm tido suas casas queimadas. Além disso, há relatos de torturas, sequestros, chantagens, linchamentos e suicídios.
Em fevereiro, o presidente do país, Yoweri Museveni, assinou lei que proíbe participar de casamento, prende quem não denunciar gays à polícia e rende prisão perpétua a quem for considerado homossexual “reincidente”.
Uma pesquisa mostra que desde dezembro houve 162 incidentes envolvendo LGBT no país. Para efeito de comparação, em 2013 foram apenas oito e em 2012, só 19.
Ativistas arco-íris informam que ao menos 25 homossexuais voaram para países como Ruanda e Kenia para fugir das leis severas em Uganda.
Na semana passada, Museveni enfrentou protestos em Londres, onde esteve em visita oficial e mal conseguiu discursar em um evento por conta dos gritos e barulhos dos manifestantes.

0 comentários:

Postar um comentário

-->