[Opinião] O lado negro do K-Pop

newsm 
Nós sabemos que nem tudo são flores. Há coisas dentro do K-Pop que não são bonitas de ver e saber; e outras que é até melhor fingir que nem ouvimos. Hoje vim trazer um assunto que é tanto desagradável, mas é uma realidade; cabe a você querer continuar lendo ou não, até porque o que os olhos não veem o coração não sente. Hoje vou abordar a parte triste focando mais nos K-idols e nas coisas difíceis que eles tem que passar para chegar onde estão.

Manipulação da empresa e o baixo salário

Em qualquer indústria fonográfica, há problemas entre os artistas e as agências, sempre. A manipulação feita com os idols é imensa. Nem todas as empresas são assim, lógico, mas na grande maioria das vezes, eles não decidem nada sobre os trabalhos e apenas seguem as ordens daqueles que vestem terno e gravata. A opressão logicamente é muito maior com os girl groups. Por que? Simples, os países asiáticos ainda são muito patriarcais e machistas, então raramente vemos mulheres ou girl groups tomando decisões, compondo os seus trabalhos e participando ativamente dos álbuns – BoA, Jucy e LE são exemplos. Vale lembrar que isso só vem acontecendo de uns dois anos para cá, pois no começo do K-Pop os grupos eram completamente controlados e eram sujeitos à vários tipos de trabalhos “desagradáveis”.
Tratando-se dos salários, a Fau fez um texto só falando sobre salário dos idols, recomendo que leiam. Mas, para resumir: o quanto os nossos ídolos recebem para o quanto que eles trabalham não é proporcional. Se pensar bem, eles mesmos não devem se dar conta disso: as empresas bancam os dormitórios, comida, transporte, figurino, coreógrafos e tudo necessário para a sobrevivência deles. Então com o que os K-idols gastam o seu dinheiro? Supérfluos. Nós vemos eles comprando casas imensas em bairros nobres, com roupas e bolsas de grife, comendo do bom e do melhor e vivendo bem – mas isso apenas é possível porque eles não gastam com o que é realmente necessário: condomínio, super mercado, conta de luz e água, empregadas domésticas, etc.
Há K-Idols que realmente são ricos, sim, mas esses casos são poucos pois muitas vezes quem trabalha nos bastidores recebe mais do que os ídolos que estão lá na frente dando o seu melhor. Por exemplo: PSY compôs, escreveu e coreografou Gangnam Style, então ele ganhou a maioria do capital erguido com as vendas dos singles. O mesmo vai para artistas como G-Dragon e BoA. Entretando, grupos como SNSD ou SISTAR, que não participam de praticamente nada, ganham menos pois são responsáveis apenas pelas vozes e representação da obra.

Contratos escravos e a vida de trainee

bigstar
Antes de começar este tópico, queria explicar uma coisa: na Coreia do Sul, o estudo é muito, muito, muito importante e valorizado; então quando um adolescente decide largar a sua vida estudantil (que é o que acontece com quem torna-se trainee), ele está colocando-se em uma condição onde só há duas opções: dar certo ou dar certo. Sequer passa pela cabeça de pais sul-coreanos que o seu filho falhe em se tornar um k-idol, visto que abandonou os estudos para torna-se um.
Sim, a parte que todos sabem: a sofrida vida de trainee de um ídolo. Muitos ídolos começaram novos, com oito ou dez anos. Outros só entram com dezesseis. Mas o destino de todos é o mesmo: treinar e aprimorar habilidades até conhecer o limite da exaustão. Dança, canto, atuação, línguas estrangeiras, etiqueta… e nós nos perguntamos: “mesmo tendo todas essas aulas, por que ainda há ídolos que não tem habilidade nenhuma?”
Bem, para essa pergunta a única resposta que eu pensei fora a incompatibilidade da vida estudantil com o trainee: o treinamento nas empresas acontece o dia inteiro, então enquanto eles estão na escola já há treinamento acontecendo, o que os leva a faltá-los. Por isso muitos ídolos não tem todas as suas habilidades bem desenvolvidas e alguns deles também nem chegaram a se formar e abandonaram completamente a escola – como JongHyun do SHINee – para conseguir comparecer a todas as aulas dentro das empresas.
Mesmo que abandonem a escola, o período de trainee continua sendo difícil e é recheado de incertezas. Todos aqueles dançarinos de apoio que encontramos nos MVs são trainees e esperam debutar um dia (podemos ver G.NA no vídeo Change da HyunA e Yoseob em Wiping Tears do AJ como simples dançarinos) todavia nem todos conseguem. Há milhões de trainees, milhões de MVs e podem até ter centenas de grupos; mas a indústria musical só é uma, e nela nem todos são capazes de alcançar sucesso absurdo do jeito que apenas três ou quatro conseguem, entretanto é como todos sonham.
Mesmo com tudo isso, uma parte mais difícil da vida de um trainee pôde ser vista ano passado, com o escândalo da Open World Entertainment, onde um dos CEO’s, Jang Seok Woo, assediou trainees. Logicamente esse não é o único caso, deve haver muitos outros por aí, até mesmo de empresas grandes como YG ou CUBE. Entretanto, com a exposição desse acontecimento, tornou-se claro o que já era especulado.
Depois da sofrida vida de trainee, os ídolos encontram outro problema: os contratos escravos, ou slave contracts. Para quem não sabe, os contratos escravos consistem em contratos absurdos, com cerca de sete a onze anos de duração, onde o ídolo tem que fielmente segui-lo, e quebra do mesmo leva a danos enormes e pouca recompensa no final. Os contratos são chamados assim pois os ídolos realmente são tratados como objetos, onde a agência faz o que bem entende, e eles tendem a aceitar calados. Sabemos que é uma característica do povo coreano o trabalho árduo, mas não há necessidade de ser tão insano assim, com horas e horas de trabalho, com um salário não proporcional. Podemos ver esse exemplo na cisma que ocorreu com o TVXQ, e até hoje o JYJ sofre com a perda, tendo que lutar para conseguir aparição nos programas de variedades.

Vale a pena no final?

Uma pergunta que me faço há muito: vale a pena ser um K-Idol no final das contas?
Sinceramente, há mais contras do que prós. Quando se pensa na qualidade de vida do idol, eles mal dormem quando estão promovendo alguma música. Dirigem tanto a noite e de madrugada que de vez em quando vemos acidentes ocorrendo. Vale ressaltar que tornar-se ídolo é um caminho sem volta; um adolescente sul-coreano larga a vida escolar e arrisca. Muitos de nós devem pensar que eles têm sorte – mas quando as estatísticas são mostradas, é assustador o número de pessoas que tentam e não conseguem chegar ao patamar de debut. Enfim, procurei mostrar um pouco do que os ídolos passam para chegar onde estão, espero que tenham compreendido e gostado. Escrevam a sua opinião sobre o assunto, e se souber de mais uma coisa que pode ser considerada como “lado negro”, compartilhe-as nos comentários!
Beijos, até a próxima!

0 comentários:

Postar um comentário

-->