Lobisomem

Bom, quero deixar claro em primeiro lugar que não foi a primeira situação que passei com esse tipo de caso, mas se escrevo ele é porque foi um dos poucos que eu tive mais certeza que não era algo com explicação lógica.
http://1.bp.blogspot.com/_aGPuY8Fqdfw/TDPZWvjd_WI/AAAAAAAAAPs/5E3egI1ZgKg/s1600/howlofthewerewolf.jpg

Isso aconteceu em Minas Gerais, Juiz de Fora.
Era uma noite fria e silenciosa, lua crescente eu acho, quase chegando na cheia. Como cheguei cansada da escola fui dormir mais cedo (estudava a tarde). Por volta das 3 e meia da madrugada acordei com gritos, gritos que eram dos meus tios (meus tios moravam ao lado da minha casa). Preocupada desci para o primeiro andar da minha casa e me deparei com minha mãe na porta, na frente dela empedindo minha passagem. Perguntei o que estava acontecendo e ela disse que de manhã me explicava. Mas como eu não digeri toda aquela situação, abri a porta e fui até a varanda da minha casa. Foi quando vi o portão de 2 metros e meio quebrado, com as correntes que o prendia (por medo de assalto meus tios colocavam correntes, davam duas voltas de corrente no portão) quebradas no chão. Um dos meu tios nesse dia havia adormecido na sala, e ele ainda meio confuso me explicou que ele estava deitado na sala e acordou com um barulho muito alto do impacto do portão quebrando. Quando ele olhou pela porta de vidro havia um 'cão' enorme com um dos meus gatinhos na boca (na época eu tinha 15 gatos). Ele descrevou o cão como negro, muito grande, parecia uma pessoa mas era um 'cão' e que estava de pé. E mesmo assustado ele começou a gritar aos meus outros tios para tentar assustar o 'cão' e ele largar o gatinho. Meu tio não teve coragem de abrir a porta. Por causa dos gritos e batidas na porta que meu tio estava dando, este animal ficou de quatro, largou o gatinho e saiu correndo.
Meu tio estava me contando isso na varanda, minha mãe chegou e começou a insistir que eu fosse para dentro de casa. Eu estava nervosa, comecei a discutir com minha mãe, eu não aceitava que ela estivesse com tanto medo, tentando me privar de tal acontecido. Nessa hora o cachorro do meu vizinho começou a rosnar para a direção minha e da minha mãe, mas creio que não tenha sido pra gente, porque ele nos conhecia a muito tempo e nos adorava. Atrás da minha casa havia uma mata com uma trilha, ou seja, atras da varanda que eu estava. O cachorro estava rosnando para algo que estava na mata. Me calei, olhei pra minha mãe e fui para dentro de casa.
Bom, no dia seguinte vi que o gatinho não havia sobrevivido e o portão ficou danificado. Não sei o que era aquilo, mas algo normal não foi.

0 comentários:

Postar um comentário

-->