#G1 ouviu: Lady #Gaga leva o #som de #Ibiza para 'Born this way'

A capa de "Born this way", disco de Lady Gaga (Foto: Divulgação) 
 
A capa de 'Born this way' (Foto: Divulgação)
Se alguém ainda tinha dúvidas sobre a “Ibizificação” da música pop, “Born this way” está aí. O segundo disco de Lady Gaga, lançado oficialmente nesta segunda-feira (23), consagra o termo cunhado para definir a nova cara do pop, cada vez mais colado ao som das boates da ilha espanhola de Ibiza.
É de lá que saiu, cravou o crítico inglês Simon Reynolds, a dance music ouvida nos trabalhos de David Guetta, Black Eyed Peas, Ke$ha, Britney Spears. E neste CD de Gaga.
Anunciado como um trabalho "mais complexo" do que suas canções anteriores, a temática das letras realmente vão além da trinca fama, moda e amor de sua estreia “The fame”, de 2008.

Gaga entoa um hino que caiu no gosto da comunidade gay (“Born this way”) e polemiza sobre escândalos sexuais do ponto de vista das garotas de programa (“Government hooker”). Ela versa sobre o fim do mundo (“The edge of glory”) e perpetua a linha “Like a prayer” de provocações religiosas em “Judas”, em versos como "Vou lavar os pés dele com o meu cabelo, se ele precisar" e "Jesus é a minha força".
Com a exceção da lentidão de “You and I”, produzida pelo papa do rockzinho de FM Mutt Lange (Bryan Adams, The Cors, Shania Twain) , tudo acaba na tal “Ibizificação” e em sílabas desconexas repetidas com o charme de sempre, em produção mais concentrada na mão do marroquino Red One.
No primeiro disco, o repertório havia ficado dividido entre dois produtores. Martin Kierszenbaum, chefe do departamento artístico da Interscope Records e especializado em europop à t.A.T.u., acelerava. Rob Fusari (Destiny’s Child e Will Smith) desacelerava na cadência do R&B. Se você é entusiasta desses registros menos exaltados de Gaga, melhor passar longe do frenesi de "Scheiße" e "Heavy metal lovers".
Neste segundo álbum, é preciso ter paciência para cavar entre batidas, sirenes e camadas de sintetizadores. Só assim para encontrar o lado mais meloso (e melódico) de Gaga, ouvido em boas faixas anteriores como “Paparazi” e “Alejandro”, inspirada no pop farofa "noventista" de Ace of Base e similares. “Born this way” já vem pronto para pistas e rádios de dance music, em faixas certeiras como "Americano" e “Bad kids".
Veja quais as músicas de “Born this way”:
1 - “Marry the night"
2 - "Born this way"
3 - "Government hooker"
4 - "Judas"
5 - "Americano"
6 - "Hair"
7 - "Scheide"
8 - “Blood Mary"
9 - “Bad kids"
10 - "Highway unicorn (Road to love)"
11 - "Heavy metal lover"
12 - "Electric chapel"
13 - "You and I"
14 - "The edge of glory"

0 comentários:

Postar um comentário

-->