Twitter quer lucrar com "tweets"

O famoso microblog, Twitter, cujas mensagens curtas se tornaram um fenômeno mundial das redes sociais, está montando uma equipe com o objetivo de gerar receita, com uma linha de produtos ainda não lançados.

Entre as 26 vagas anunciadas em seu site, quatro são identificadas especialmente como dedicadas à "monetização". Fechar acordos de licenciamento é a tarefa primária para duas outras vagas.

A iniciativa de investir em um projeto de faturamento online sinaliza que a empresa está entrando em uma nova fase, em que monetização passa a ser uma prioridade mais séria. O Twitter não divulga resultados financeiros, mas seu site informa: "Enquanto nosso modelo de negócios estiver em fase de pesquisa, nós gastaremos mais dinheiro do que ganhamos."

Em setembro do ano passado, o microblog levantou 100 milhões de dólares em uma operação que avaliou a companhia como valendo 1 bilhão de dólares, segundo fontes próximas. Entre os investidores, estavam a gigante dos fundos mútuos T. Rowe Price e a companhia de investimento de risco Insight Venture Partners. Em outubro do mesmo ano, fechou acordos com o Google e a Microsoft para que os buscadores das duas empresas exibissem “tweets” em seus resultados de busca, negócio avaliado pela imprensa como um total de 25 milhões de dólares.

A empresa que recentemente mudou sua equipe para um escritório maior em San Francisco, teve 19,4 milhões de visitantes únicos nos Estados Unidos em novembro, segundo a comScore, ante 1,5 milhão um ano antes. Especialistas afirmam que o número mundial de usuários do Twitter é ainda maior, uma vez que muitas pessoas acessam o serviço através de aplicativos desenvolvidos por terceiros em vez de usar a ferramenta diretamente no site.

Android App Store é alvo de crackers

A Android App Store , loja de aplicativos do sistema Android, foi alvo do ataque dos cibercriminosos que conseguiram inserir um programa responsável por roubar dados dos usuários.

O aplicativo, publicado em nome da First Tech pelo usuário Droid09, se apresentava como um software bancário utilizado para consulta de extratos e outras informações. Ao instalar o código, os usuários são levados a colocar dados de login enviados remotamente para os criminosos.

Em comunicado oficial, a First Tech afirmou que não é responsável pela criação do aplicativo.

De acordo com o Google, o software foi rapidamente identificado e banido do banco de dados. Os usuários que baixaram o programa devem apagá-lo o quanto antes de seus aparelhos, além de mudar suas senhas bancárias.

O incidente poderá acarretar mudanças no sistema de aprovação dos programas publicados na Android App Store.

Aparelho converte web em sinal de celular


Um aparelho capaz de transformar a conexão com a internet em sinal telefônico fez sucesso na CES 2010.

Chamado de MagicJack ("conexão mágica"), é da pequena empresa americana YMAX e para funcionar só precisa de um computador ligado e conectado à internet.

O brinquedinho transforma a conexão de banda larga em sinal de telefonia celular 2G em uma área de 280m² e permite fazer ligações sem gastar minutos do serviço de internet. E para usufruir de seus serviços, é preciso pagar apenas uma assinatura anual de US$ 20.

Segundo Simon Saunders, presidente do Femto Forum, integrado por fabricantes de equipamentos e operadoras de telefonia, a YMAX, no entanto, recorre para tais conexões a frequências que não está autorizada a acessar. Kari Hernández, porta-voz da Ymax, rebateu a acusação e afirmou que a tecnologia não utilizará frequências de propriedade de outros e que, tecnicamente, as operadoras não seriam donas das frequências dentro de uma propriedade.

O MagicJack já está no mercado como aparelho mais simples, que permite ligações comuns com conexão à internet e a YMAX disponibilizará a venda do novo modelo nos próximos meses, pela bagatela de US$ 40.

Intel lança loja de aplicativos para netbooks

A Intel anunciou o lançamento da AppUp, uma loja de aplicativos para netbooks. A ideia é entregar aos usuários, de uma maneira fácil, programas que funcionam bem em telas pequenas, com menos recursos gráficos e processadores Atom.

Primeiro, é necessário baixar um "client" para acesso à loja. Então, o usuário pesquisa por entre as várias categorias, assim como é na OVI Store, na iTunes Store ou no Android Market.

Mas você pode pensar: uma vez que netbooks rodam Windows e Linux, por que não baixar programas da rede, como sempre fizemos? A diferença - e o nicho de mercado enxergado aqui - é que fabricantes poderão usar app stores de marca para vender seus produtos. Acer, Asus, Dell e Samsung são algumas marcas que já demonstraram interesse no projeto da Intel.


Fones de ouvido vibram ao ritmo da música

Pode até parecer uma invenção maluca, mas a Technocel acaba de lançar fones de ouvido vibrantes. A empresa garante que isso faz com que a experiência de escutar música se torne mais interessante.

A explicação é simples: ao vibrar de acordo com as frequências mais baixas da música, o fone de ouvido faz com que você se sinta em frente a grandes caixas de som, sentindo-o em seu corpo.

Os fones de ouvido reproduzem som stereo e trazem um microfone para uso em ligações telefônicas, e custam 29,99 dólares nos Estados Unidos.


Carros da Ford terão Twitter e rádio via web

A Ford anunciou na CES 2010 seu novo computador de bordo. O equipamento pode, até mesmo, ler Twitts em voz alta para o motorista. A novidade virá embarcada em novos modelos a serem fabricados nos próximos 12 meses nos Estados Unidos. Ainda não existe uma data de lançamento no Brasil.

O MyFord traz 2 telas de LCD de 4,2 polegadas, uma em cada lado do marcador de velocidade, além de uma outra tela touch-screen de 8 polegadas no painel central. É por meio dela que o motorista controla temperatura ambiente, sistema de entretenimento, GPS e telefone celular.

A tecnologia embarcada nos veículos da Ford também vai permitir que o carro se transforme em um hot spot Wi-Fi para que passageiros possam acessar a internet enquanto viajam. A função de leitura dos Twitts se dá por meio de um aplicativo chamado Open Beak. E, graças ao acesso à internet, também será possível ouvir rádios online por meio do aplicativo Pandora. Tem ainda o Stitcher, sistema personalizado de rádio on-demand no qual os usuários podem escolher os programas de rádio convencional que querem ouvir nos horários mais convenientes. De acordo com executivos da empresa, a Ford está em conversas com o Google para trazer novos serviços aos carros.

E a questão da segurança, uma vez que tantos elementos podem distrair o motorista? Os fabricantes afirmam que mensagens SMS e Twitts "falados" são mais seguros do que escritos e lidos na tela do celular - e, de acordo com eles, muitos são os motoristas que fazem isso ao dirigir. O raciocínio é simples: não adianta remar contra a maré. É preciso entregar novas formas mais interessantes e fáceis ao invés de fingir que estas atitudes não acontecem ao volante.

Esta é uma discussão que ainda vai longe. Por enquanto, o que há de definitivo na história é que a tecnologia embarcada nos automóveis veio para ficar.

Confira, abaixo, um vídeo-demonstração do MyFord gravado pelo pessoal do site Engadget:


GE planeja criar centro de pesquisa no Brasil

A General Eletric (GE) planeja criar um centro de pesquisa e desenvolvimento no Brasil. A unidade seria a primeira da empresa na América Latina, que tem quatro centros ao redor do mundo: Estados Unidos, Alemanha, Índia e China.

De acordo com informações da Agência Brasil, João Geraldo Ferreira, presidente da empresa no Brasil, pretende definir ainda no primeiro trimestre de 2010 a localidade onde a empresa implantará seu centro de pesquisa tecnológica que ficará pronto até o final do ano.

A GE ainda não definiu a área de pesquisa a que se dedicará o centro, mas nos próximos meses, uma equipe virá ao país para se reunir com clientes e parceiros industriais e governamentais para determinar os tipos de projetos e programas que poderão ser estabelecidos na nova instalação.

Em comunicado, o presidente e CEO global da companhia, Jeff Immelt, afirmou que um laboratório de pesquisa industrial ajudará a companhia a formar parcerias mais fortes com clientes brasileiros.

Mercado de TI fatura cerca de US$ 140 bilhões


O mercado de TI encerrou o ano de 2009 com a bola toda e segundo dados da Associação Brasileira das Empresas de TI e Comunicação (Brasscom), atingiu um faturamento de cerca de US$ 140 bilhões, o que coloca o Brasil como oitavo maior mercado de TI do mundo.

Dados preliminares divulgados pela Brasscom indicam que o setor cresceu acima da economia brasileira, cuja expansão foi de 6% a 8%. De acordo com estimativas do presidente da Associação, Antônio Gil, somente o setor de TI, excluindo telecomunicações, faturou cerca de US$ 65 bilhões. Com a inclusão das telecomunicações, o faturamento do setor deve se aproximar de US$ 140 bilhões, o que representa 7% a 8% do Produto Interno Bruto (PIB).

Em relação às exportações, estima-se que as operações tenham alcançado US$ 3 bilhões, tendo um incremento em relação aos US$ 2,2 bilhões exportados no ano anterior. Esse crescimento, no entanto, ainda é pequeno frente aos US$ 50 bilhões de exportação de sofwares e de serviços de TI da Índia.

A Brasscom aponta ainda uma tendência do setor de se deslocar para o interior do país, especialmente para a região Nordeste. Locais como Recife, Salvador, Campina Grande e Fortaleza, além de Curitiba e o interior paulista, são atrativos para o desenvolvimento do mercado tecnológico.


O PC em forma de teclado

O PC em forma de teclado

Na CES do ano passado, a Asus anunciou uma versão do EeePC com um design um tanto quanto curioso: ele nada mais é do que um teclado com uma tela lateral de 5 polegadas, multi- touch, e resolução de 800 x 480 pixels.

A maioria das aplicações pode ser acessada por meio de poucos toques, sem muita navegação por menus. Um processador Intel Atom N270 é o cérebro da máquina, que traz 1 GB de RAM e um SSD de 16 ou 32 GB, dependendo da versão.

Uma solução wireless, chamada Eee Wicast wireless HDMI, permite a conexão do teclado a um monitor, caso o usuário prefira ou necessite utilizar uma tela maior. Mas para que a solução sem fio funcione, é preciso que o usuário esteja a menos de 5 metros da tela.

O produto estará à venda a partir de fevereiro nos EUA, custando 499 dólares.
-->